DDS – Introdução (Parte 1)

Com o surgimento da TV Digital faz-se necessário a implementação de transmissores com sintetizadores digitais de freqüência, esses sintetizadores devem ser capazes de atuarem em altas freqüências (Gigahertz) e que, ao mesmo tempo apresentem alta precisão, uma vez que os sintetizadores analógicos (Phase Locked Loop – PLL) não apresentam uma alta precisão em freqüência do sinal sintetizado.

Devido a esses fatores, foi criada a estrutura DDS (Direct Digital Synthesizer), ou Sintetizador Digital Direto, um sistema digital capaz de apresentar alta precisão na freqüência atendendo um dos requisitos, mas devido aos limites de operação dos componentes empregados, o sinal sintetizado não pode atingir altas freqüências, chegando ao máximo em algumas centenas de megahertz, condições essas que torna o DDS um sistema incapaz de atuar sozinho na síntese de altas freqüências.

Pensados nesses aspectos mostraremos sucintamente o modo de operação de cada bloco da estrutura DDS, dando enfoque as vantagens e desvantagens de cada um e aplicando o conceito no FPGA tornando assim mais fácil a compreensão do assunto.

Figura 01
Figura 01: Saída do DDS analisada pelo Modelsim.

Próximo=>

Anúncios

Um comentário sobre “DDS – Introdução (Parte 1)

  1. Pingback: DDS – Descrições da Estrutura (Parte 2) | AGE TECHNOLOGY

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s